21 de março

Visita virtual ao Jardim Bíblico de Fátima

20210321 arvore 1

A comemoração do Dia Mundial da Árvore, ou da Floresta, pretende levar-nos a preservar as árvores, necessárias para o equilíbrio ambiental e ecológico e para a qualidade de vida dos cidadãos. Calcula-se que 1000 árvores adultas absorvem cerca de 6000 kg de CO2 (dióxido de carbono). Há dias, numa reportagem televisiva, era-nos dito que já tinham sido abatidas mais de mil árvores ardidas nos incêndios de 2017, e ainda se estava longe do fim. Imaginamos o que tal pode significar para a degradação da qualidade de VIDA no nosso País?

É mesmo de VIDA, que se trata. Neste Domingo, em que a maioria da população está confinada ao seu meio, para defendê-la, convido a uma visita virtual ao JARDIM BÍBLICO situado no Centro Bíblico dos Capuchinhos, à Avenida Beato Nuno, nº 407, em Fátima. Sei que não substitui um passeio ao ar livre até à mata mais próxima ou um piquenique familiar à sobra de uma árvore. Mas pode estimular-nos a um contacto maior com a Natureza, necessário para o nosso equilíbrio humano. Pois, como criaturas, fazemos parte de um mundo mais vasto que a nossa casa ou o nosso espaço de trabalho; e perdemo-nos, se perdermos esta relação natural e fraterna com ele.

20210321 arvore 2Da esquerda para a direita: Cipreste, Palmeira, Choupos e Olaias

 

VER O NOSSO CORPO AO ESPELHO DE UMA ÁRVORE

A par do círculo e da cruz, a árvore é um dos símbolos mais valiosos e acessíveis para falar da pessoa e da vida humana. De pé e de braços abertos, somos a imagem de uma árvore; e uma árvore, nos seus ciclos e dinâmica de crescimento, evoca a pessoa humana no seu habitat natural. Vejamos, então, a semelhança entre uma árvore e uma pessoa, a nível físico e simbólico.

O nosso corpo é uma árvore: de pé e de braços abertos, nós temos as raízes nos dedos dos pés, o tronco subindo até à cabeça, os ramos constituídos pelos braços com os galhos dos dedos, e a copa da cabeça. Como as árvores, precisamos do húmus da terra, da água (o nosso corpo é 70% água), do oxigénio e do Sol para nos desenvolvermos e crescer. Nalgumas fases da vida, como as árvores, também vergamos mais e partimos com maior facilidade.

Por alguma razão falamos da nossa “árvore genealógica” para registar os nossos ascendentes ou descendentes. Na Coleção “Evangelho da Vida” também se mostram exemplares da ÁRVORE GENEALÓGICA DE JESUS CRISTO (a descendente, de Abraão até Jesus, segundo Mateus; e a ascendente, de Jesus até Deus, segundo Lucas) ou “Arvore de Jessé”, nome do pai de David, no qual Jesus está entroncado pela paternidade adotiva de José, «filho de David» (Mt 1,20).

O permanente crescimento e ascensão da árvore, evoca a verticalidade do ser humano – philecantropus erectus – e a sua tendência para o infinito ou para o céu. E, tal como a pessoa, põe em comunicação os vários níveis do cosmos: o subsolo, através das raízes que mergulham na terra; a superfície da terra, através do tronco e dos seus ramos inferiores; o ambiente ou o clima, pelas folhas ou pulmões que respiram o ar; as alturas, pelos ramos superiores e a copa atraídos pela luz do Sol.

A árvore é universalmente considerada símbolo das relações entre a terra (raízes) e o céu (ramos); o ser humano foi posto no mundo como mediador entre Deus e a Criação (ver o Livro do Génesis 1,28-31; 2,8.15).

Considerando-a dividida em sete partes (raiz, tronco, galhos, folhas, flor, fruto e semente), e tomando-a como símbolo de todos os estádios evolutivos, vemos que, ao chegar à semente, o processo renova-se num círculo interminável: a semente lançada à terra produzirá uma nova árvore com todas as etapas da sua matriz. A vida ou a nova árvore já existia em embrião na semente, mas só pôde manifestar-se a partir da combinação dos quatro elementos: Terra, Água, Fogo e Ar. O Fogo é representado pelo Sol, indispensável à germinação da semente e ao desenvolvimento da planta.

 

O JARDIM, LUGAR DE ENCONTRO(S)

20210321 arvore 3Junto ao Centro Bíblico, o Jardim complementa os seus encontros e as visitas ao Museu do Presépio

No Centro Bíblico dos Capuchinhos, em Fátima, o JARDIM BÍBLICO, iniciado em 2003, constitui hoje um complemento natural da coleção visitável de presépios, EVANGELHO DA VIDA: no Jardim, escutamos e lemos a primeira palavra de Deus na CRIAÇÃO; nos presépios, contemplamos o próprio Verbo de Deus revelado na ENCARNAÇÃO.

Também confinado, desço até ao Jardim e sento-me na Casa de Zacarias e de Marta, referidas nos Evangelhos e aqui lugar privilegiado para o silêncio, a contemplação orante, a leitura ou a escrita. Pego na máquina fotográfica, para vos mostrar imagens da visita. Alongando o olhar através das aberturas horizontais da casa de madeira, que permitem a comunhão com o exterior, vejo todo o espaço envolvente. E lembro-me que nele orientei, de 21 a 26 de julho de 2013, um Retiro Bíblico sobre “A VOZ DA CRIAÇÃO: Escuta e contemplação da Natureza, como lugar da revelação de Deus”.

É conhecido aquele episódio no jardim do Éden, relacionado com Adão e Eva: «Ouviram então a voz do Senhor Deus, que percorria o jardim à frescura do dia, e o homem e a sua mulher logo se esconderam do Senhor Deus por entre o arvoredo do jardim» (3,8). Porém, nós não criámos este Jardim para não escondermos de Deus ou fugirmos da gente; foi para nos encontrarmos connosco e com Deus, e proporcionarmos encontros com Ele e com todos: visitas individuais ou em grupo de Bíblia na mão, “um dia no jardim” para movimentos ou paróquias, Retiros, celebrações... Numa placa interior, estão definidos os seus objetivos, que não são os de qualquer jardim público. O Cenáculo é o coração deste Jardim, como do Evangelho. Viremos a ele, na Páscoa.

O Retiro de 2013 intitulava-se: das árvores da Bíblia à árvore da vida. E essa árvore da vida não era apenas a referida no capítulo 2,9 do Génesis, mas a da nossa vida contemplada ao espelho das árvores bíblicas. Porque o nosso corpo lembra uma árvore e a nossa a vida evolui um pouco ao jeito das árvores, é que os autores da Bíblia, para falarem de uma pessoa, avaliarem a sua vida ou caraterizarem um personagem ou momento da história do povo de Deus, utilizam a linguagem simbólica das árvores ou de outros elementos da flora como termo de comparação. Alguns exemplos:

«Aquele que confia no homem / e conta somente com a força humana, / afastando o seu coração do Senhor, / assemelha-se ao cardo do deserto. (…) / Pelo contrário, «o homem que confia no Senhor, / que tem no Senhor a sua esperança, / é como a árvore plantada perto da água, / que estende as raízes para a corrente; / não teme quando vem o calor, / a sua folhagem fica sempre verdejante. / Não a inquieta a seca de um ano / e não deixará de dar fruto» (Jeremias 17,5-8; Salmo 1).

Uma grande figura nacional é «como a flor das roseiras, em dia de primavera;/ como os lírios, junto das correntes de água; / como um ramo da árvore de incenso, em dias de verão; / como oliveira, carregada de frutos / e como o cipreste que se eleva até às nuvens» (Ben Sira 50,8.10.12). Note-se que este texto poético é a leitura breve das II Vésperas da Festa de S. Bento, Patrono da Europa, celebrada em 11 de julho.

Para proclamar a fidelidade eterna da palavra de Deus, face à inconstância ou fragilidade de cada pessoa humana ou de todo o povo, o profeta Isaías serve-se de imagens da criação: «Toda a gente é como a erva / e toda a sua beleza, como a flor dos campos! / A erva seca e a flor murcha, quando o sopro do Senhor passa sobre elas. / Verdadeiramente o povo é semelhante à erva. /A erva seca e a flor murcha, mas a palavra do Senhor nosso Deus permanece eternamente» (Isaías 40,6-8).

20210321 arvore 4As figueiras estão ainda com os primeros rebentos, promessa de frutos saborosos

 

AS ÁRVORES DO JARDIM BÍBLICO

Nas visitas ao nosso Jardim, ou em entrevistas nos meios de comunicação social, por várias ocasiões têm-me perguntado: Quantas árvores há no Jardim Bíblico? Diga-se, antes de mais, que um JARDIM BÍBLICO não se compõe apenas de árvores, mas também de arbustos, ervas e flores. Por isso, desde o princípio convencionámos – e não apenas por uma recomendação de S. Francisco – que os canteiros do nosso Jardim não seriam relvados, mas neles a natureza cresceria espontânea, uma vez que é muito semelhante à da paisagem da Terra Santa: malmequeres, papoilas, trigo, cevada, lírios…

Por outro lado, o arquiteto-paisagista Miguel Velho da Palma, que orientou a construção do espaço e a seleção das plantas, vendo o pouco terreno disponível desde logo apelou ao realismo. E assim, apenas plantámos as seguintes, algumas com três e quatro exemplares: ÁRVORES: Acácia, Alfarrobeira, Ameixoeira, Amendoeira, Amoreira, Carvalho, Cedro do Atlas (Marrocos), Cedro do Líbano, Cerejeira, Choupo (alba e nigra), Cipreste (quatro espécies: Gold, Leylandii, Macrocarpa e Sempervirens), Damasqueiro, Figueira, Laranjeira, Loureiro, Macieira, Nogueira, Olaia, Oliveira, Palmeira (Canariensis e Dactilifera), Pereira, Pinheiro manso (Pinheira), Romãzeira e Videira. ARBUSTOS: Murta, Mostardeira-preta, Tamarinho, Aloendro, Folhado e Mostardeira. FLORES: Alecrim, Aloé, Roseira, Lírios variados, Tulipas, Narcisos. Ciclicamente, vamos povoando o espaço com outras fores.

No Retiro Bíblico de 2013, sobre o tema “das árvores da Bíblia à árvore da vida”, encontrámo-nos com os textos bíblicos destas árvores e outras que não temos no Jardim, como o Sicómoro. E em Laudes celebrámos as várias criaturas do Cântico do irmão Sol, de S. Francisco: o Sol, a Terra, o Ar, a Água, o Sofrimento (a poda, para dar melhor fruto). Refiro apenas os temas de manhã e da tarde, e as referências bíblicas:

DOMINGO. Abertura, à noite: A árvore, símbolo da vida e da pessoa.

SEGUNDA. Com Abraão, sob os carvalhos à porta da tenda (Gn 12,6-9; 14,13; 18,1-16; 35,8). Com Jesus, em casa de Marta e Maria (Lc 9-10).

TERÇA. À sombra do Cedro e do Cipreste (Ct 1,17; Ez 17 e 31; Sl 104,16-17; Sir 24,9-23; 2 Rs 19,23; Is 57,24). Com Jesus, diante do Sicómoro e em casa de Zaqueu (Lc 19,1-10; Am 7,10—8,7). Eucaristia: Leituras do XI domingo Tempo Comum, B. 1ª leitura: Cedro; Salmo: Palmeira e Cedro-do-líbano; Evangelho: semente, trigo e grão de mostarda.

QUARTA. Como filhos em redor da Oliveira («Tu, que eras de oliveira brava, foste enxertado numa oliveira boa»: Rm 11,1-24.33-36). No roteiro dos Valinhos, pulmão ecológico e espiritual de Fátima. Via-sacra com as árvores (publicada na revista Bíblica). Eucaristia, no Calvário húngaro (a Árvore da Cruz).

QUINTA. Semente, trigo e mostardeira (M 13,1-32). A lição da figueira infrutífera (1 Rs 4,25; Zc 3,10; Nm 13,23; Jr 5,17; Os 2,14); A figueira maldita (Mc 11,12-26; Mt 21,18-22; Lc 13,13,6-9); O culto e a vida sem obras (Mt 3,8; 7, 15-20; Lc 3,8-9; 6,43-44). Celebração penitencial.

SEXTA. Vinha do Povo e Videira de Cristo. A videira e a vinha; O símbolo e a realidade: vinha destruída (Is 5,1-7), parábola dos vinhateiros homicidas (Mt 21,33-45). Videira arrancada (Ez 19,10-14; Sl 80,15-20); Cristo, a Videira verdadeira (Jo 15,1-16: a poda e os frutos). “Eu vos escolhi e vos destinei a ir e a dar fruto”. Eucaristia final.

20210321 arvore 5

 

DIA DA ÁRVORE – DIA DA POESIA

No dia da Árvore é também celebrado o Dia da Poesia. O Jardim Bíblico é também um espaço inspirador, e confesso que tenho ido escrevendo alguns poemas de leitura e conversa com as árvores e as flores. Mas hoje apenas vos deixo um texto escrito ao fim do dia em celebrámos os 50 anos da nossa Casa de Fátima, com vários melhoramentos e valorizações no Jardim. Inspirei-me no Cipreste, que é para mim um desafio permanente no seu diálogo com a torre do Santuário. E aproveito para lembrar que esta árvore não é um símbolo da morte, mas da ressurreição. Cupressus sempre virens, quer dizer sempre verde. Por isso é muito plantado nos cemitérios.

 

CIPRESTE
(cupressus sempre virens)

Fátima, 16 de junho de 2012 / 16:00 hs
ouvindo um Cipreste do Jardim Bíblico

Vejo-te a prumo com a torre do Santuário
rigorosamente encimado pela sua coroa
e sinto que subis para o mesmo infinito

A vossa palavra comum é “Sobe mais alto”
“Cai para cima”, “Procura nas alturas o centro
que tens posto na terra e te faz excêntrico”

“Não desistas de pensar que as muitas raízes
não te prendem ao chão, mas te suportam
ascensões mais arriscadas, mesmo temerárias”

“É lá em cima que eu vou fazendo a tua casa”
“Os meus ramos são asas a que podes sempre
abrigar-te, mas só para voares mais longe”

“Sê olímpico Faz os máximos Aponta
para marcas cada vez mais além distantes
Nunca te resignes com os resultados obtidos”

20210321 arvore 6O Jardim Bíblico no seu meio físico, e o muro que o contorna