“Eu levantei o solidéu do papa, e lá estava a carta dele. Ele abriu um sorriso belíssimo e disse: ‘Bravíssimo! Mas você é um diabo!’''.

Um truque de cartas cuidadosamente planeado provocou risadas num recente encontro que o Papa Francisco teve com um grupo de franciscanos capuchinhos da região das Marcas, na Itália.

Enquanto os participantes da assembleia do Sínodo dos Bispos sobre a Amazónia atualmente em andamento no Vaticano se reuniam em pequenos grupos de trabalho no dia 11 de outubro, o papa passou a manhã – cerca de três horas e meia – num diálogo informal e abrangente com mais de 70 capuchinhos.

Num longo momento de perguntas e respostas, eles conversaram sobre vocações, pobreza, perdão e evangelização.

E, então, o Pe. Gianfranco Priori deu um passo à frente.

O frade de 66 anos é reitor do Santuário de Nossa Senhora do Ambro, localizado no trecho Umbro-Marchigiano dos Apeninos. Mas ele também é conhecido como “Frate Mago” ou “Frade Mágico”, por causa de seus lendários truques de mágica.

O Papa Francisco disse-lhe: “Mostre-me o que você sabe fazer”.

“Eu comecei a jogar com um baralho de cartas de Piacenza”, disse o frade. “Perguntei ao papa se ele as conhecia. E ele disse que sim, que também as usam na Argentina.”

“Depois, mostrei-lhe todas as cartas, pedindo-lhe que pensasse numa, sem tocar-lhe. Coloquei o baralho nas suas mãos e pedi que ele dissesse ao público qual carta em que tinha pensado. Naquele momento, levantei o solidéu do papa, e lá estava a carta dele. Ele abriu um sorriso belíssimo e disse: ‘Bravíssimo! Mas você é um diabo!’”

Durante o truque de cartas, o Frade Mágico também falou com o papa sobre a “verdadeira magia”.

Em 2016, o Santuário de Nossa Senhora do Ambro, onde o frade é reitor, foi devastado por um terremoto. Em poucos meses, o padre capuchinho conseguiu recuperar a área.

Ele obteve um empréstimo privado de um milhão e meio de euros de um banco local e, em dezembro passado, reabriu a igreja. Isso ajudou a reavivar toda a economia local, que havia sido praticamente destruída com o encerramento do santuário.

Os moradores locais vêem toda a operação como um milagre, porque, nos últimos 10 meses, o santuário atraiu multidões de peregrinos e turistas muito maiores do que antes.

O Papa Francisco e os capuchinhos, depois, almoçaram juntos, e o papa autografou um livro sobre a vida do Frade Mágico.

Mas o frade-mágico capuchinho não foi embora sem antes convidar Francisco para visitar seu santuário mariano restaurado.

 

Reportagem de La Croix International.
Tradução de Moisés Sbardelotto para Instituto Humanitas Unisinos.

Próximos Eventos

Mais lidos

  • Semana

  • Mês

  • Todos