Embora o Nascimento de Jesus apenas seja celebrado daqui a nove meses, em 25 de março já celebramos o primeiro momento da sua vida humana – pela Encarnação – no seio da Virgem Maria. Por isso o escolhemos como DIA DOS “AMIGOS DO PRESÉPIO”, e nele proclamamos O EVANGELHO DA VIDA.

20210325 dia presepio 2Anunciação e Natal. Palestina, Artesanato de Belém. Madrepérola, ano 2000. Coleção Evangelho da Vida, Fátima. Fotografia: Paulo Figueira

 

1. No dia 25 de março, a Igreja celebra a Solenidade da Anunciação do Senhor; ou seja, o dia que se convencionou ser aquele em que, segundo o evangelho de São Lucas, “o anjo do Senhor anunciou a Maria” que Deus a escolhera para ser mãe do Messias prometido a Israel (Lc 1,26-38). Digo convencionou, porque foi colocada no calendário litúrgico nove meses antes do Natal, em que celebramos o Nascimento de Jesus, e que também se convencionou ser a 25 de dezembro para cristianizar a festa pagã ao deus Sol, celebrando Jesus Cristo – o Sol de Justiça, fonte de Vida sem ocaso.

2. Pelo próprio nome, trata-se de uma festa cristológica e não mariana: o centro é o anúncio de Jesus como Salvador e não a notícia dada e o convite feito a Maria. Mas é evidente que Maria tem um papel importante, ao responder: «Eis a serva do Senhor, faça-se em mim segundo a tua palavra.» Este SIM livre à proposta de Deus marcou o momento que nós evocamos assim na oração do Angelus: «E o Verbo se fez carne [homem] e habitou entre nós.» É isso que está escrito no topo do altar da gruta, sob a Basílica da Anunciação, em Nazaré, na Terra Santa: HIC VERBUM CARO FACTUM EST = Aqui o Verbo se fez carne. Pois, embora o Nascimento de Jesus apenas seja celebrado daqui a nove meses, em 25 de março já celebramos o primeiro momento da sua vida humana – pela ENCARNAÇÃO – no seio da Virgem Maria. Por isso o escolhemos como DIA DOS “AMIGOS DO PRESÉPIO”, e nele proclamamos O EVANGELHO DA VIDA.

3. Vemos, assim, que não foi por acaso que o papa João Paulo II escolheu o dia 25 de março de 1995 para assinar a Encíclica O EVANGELHO DA VIDA, que termina com uma oração a Maria, «mãe dos viventes». Nem foi por acaso que, nove meses depois, em 25 de dezembro de 1995, organizámos no Centro Bíblico dos Capuchinhos, em Fátima, a I Exposiçao de Presépios com esse nome, com base no nº 1 dessa Encíclica. E também não foi por acaso que, 25 anos depois, demos o mesmo nome ao espaço museológico inaugurado como Coleção EVANGELHO DA VIDA, em 4 de janeiro de 2020, escolhendo o mesmo texto do nº 1 para pórtico de entrada e transcrevendo-o no Guia de Visita.

4. Ao celebrar o Dia dos “AMIGOS DO PRESÉPIO”, recordamos alguns trechos dessa Encíclica, para que cada qual os tenha presente como ideário inspirador da sua vida e ação.

20210325 dia presepio 3Cristo de S. Damião, Núcleo I.  Coleção Evangelho da Vida, Fátima. fotografia: José Luís Caetano 

Nº 1. «Ao apresentar o núcleo central da sua missão redentora, Jesus diz: “Eu vim para que tenham vida, e a tenham em abundância” (Jo 10,10).»

Nº 2. «O ser humano é chamado a uma plenitude de vida que se estende muito para além das dimensões da existência terrena, porque consiste na participação da própria vida de Deus. A sublimidade desta vocação sobrenatural revela a grandeza e o valor precioso da vida humana, inclusive já na sua fase temporal. […]

A Igreja sabe que este Evangelho da vida, recebido do seu Senhor, encontra um eco profundo e persuasivo no coração de cada pessoa, crente e até não crente, porque se ele supera infinitamente as suas aspirações, também lhes corresponde de maneira admirável. Mesmo por entre dificuldades e incertezas, todo o ser humano sinceramente aberto à verdade e ao bem pode, pela luz da razão e com a secreta influência da graça, chegar a reconhecer, na lei natural inscrita no coração (ver Rm 2,14-15), o valor sagrado da vida humana desde o seu início até ao seu termo, e afirmar o direito que todo o ser humano tem de ver plenamente respeitado este seu bem primário. Sobre o reconhecimento desse direito é que se funda a convivência humana e a própria comunidade política.

De modo particular, devem defender e promover este direito os crentes em Cristo, conscientes daquela verdade maravilhosa, recordada pelo Concílio Vaticano II: «Pela sua encarnação, Ele, o Filho de Deus, uniu-Se de certo modo a cada ser humano» (Vaticano II, Gaudium et Spes, 22).

De facto, neste acontecimento da salvação, revela-se à humanidade não só o amor infinito de Deus que «amou de tal modo o mundo que lhe deu o seu Filho único» (Jo 3,16), mas também o valor incomparável de cada pessoa humana.

A Igreja, perscrutando assiduamente o mistério da Redenção, descobre com assombro incessante este valor, e sente-se chamada a anunciar aos homens de todos os tempos este «evangelho», fonte de esperança invencível e de alegria verdadeira para cada época da história. O Evangelho do amor de Deus pelo ser humano, o Evangelho da dignidade da pessoa e o Evangelho da vida são um único e indivisível Evangelho. É por este motivo que o ser humano, o ser humano vivo, constitui o primeiro e fundamental caminho da Igreja.»

Nº 3. «Precisamente por causa do mistério do Verbo de Deus que Se fez carne (ver Jo 1,14), cada pessoa está confiada à solicitude materna da Igreja. Por isso, qualquer ameaça à dignidade e à vida do ser humano não pode deixar de se repercutir no próprio coração da Igreja, é impossível não a tocar no centro da sua fé na encarnação redentora do Filho de Deus, não pode passar sem a interpelar na sua missão de anunciar o Evangelho da vida pelo mundo inteiro a toda a criatura (ver Mc 16,15).

Hoje, este anúncio torna-se particularmente urgente pela impressionante multiplicação e agravamento das ameaças à vida das pessoas e dos povos, sobretudo quando ela é débil e indefesa. Às antigas e dolorosas chagas da miséria, da fome, das epidemias, da violência e das guerras, vêm-se juntar outras com modalidades inéditas e dimensões inquietantes.»

Nº 105. «Como povo peregrino, povo da vida e pela vida, enquanto caminhamos confiantes para “um novo céu e uma nova terra” (Ap 21,1), voltamos o olhar para Aquela que é para nós “sinal de esperança segura e consolação” (Vaticano II, Lumen gentium 68)

20210325 dia presepio 4 Oração à Mãe dos Viventes. Núcleo I. Coleção Evangelho da Vida, Fátima. Fotografia: José Luís Caetano

 

Um abraço muito fraterno e grato para cada AMIGO E AMIGA DO PRESÉPIO nesta primeira celebração do nosso DIA!

Fátima, 25 de março de 2021
frei Lopes Morgado, Curador da Coleção

 

20210325 dia presepio 5Totem da coleção de presépios, à entrada da Fraterndade dos Capuchinhos, em Fátima. Fotografia: Lopes Morgado

 

Para Celebrar

Para celebrar a Virgem Maria, neste DIA DOS AMIGOS DO PRESÉPIO, sugerimos o seguinte Roteiro de utilização dos materiais aqui oferecidos:

1. Escutar/orar o canto da AVE, MARIA, de Gounod, através do respetivo link.
2. Proclamar o ALEGRA-TE, MARIA, com intervenção de vários elementos e o refrão cantado.
3. Ler o texto DIA DOS AMIGOS DO PRESÉPIO (todo o texto acima).
4. Ouvir o PowerPoint MAGNIFICAT, centrando a atenção nas imagens; projetar uma 2ª vez.

para saborear melhor, lendo as legendas das imagens no rodapé.
5. Ler o texto AMIGOS DO PRESÉPIO I itinerário.
6. Rezar o COMPROMISSO PELA VIDA.
7. 'OuVER' outra vez a AVE, MARIA, de Gounod, do nº 1, apreciando a frescura do timbre da voz.