É com imensa alegria que vos saúdo com as mesmas palavras que São Francisco de Assis dirigia aos seus irmãos: Paz e Bem!

Sou o Frei Bernardo Cortiço, tenho 20 anos, pertenço à Paróquia de São Francisco de Assis de Ponte de Sor, onde fiz parte do grupo de acólitos, escuteiros e grupo de jovens da MMF, entre outros. Foi neste ambiente que senti o chamado à vida consagrada, uma vez que fazia parte destes grupos todos e percebi que buscava algo mais. Assim, com a ajuda do meu Pároco e das Irmãs Franciscanas Missionárias de Nossa Senhora encontrei os Franciscanos Capuchinhos. Inicialmente frequentei os encontros vocacionais que se realizavam na fraternidade do Porto e aqui percebi que a vocação religiosa é uma resposta concreta ao chamamento do amor de Deus, uma vez que Ele nos amou e se entregou plenamente por amor. O dom gratuito da vocação deve ser posto em prática, não só em prol de si mesmo, mas também e sobretudo ao serviço dos demais. Também percebi que o meu modelo seria S. Francisco de Assis que tudo fez para agradar ao Senhor e viveu do Amor e para o Amor, dando-se a Deus e aos irmãos.

Posteriormente ingressei no Postulantado na fraternidade de Gondomar, onde tive um contacto directo com o que era ser consagrado e aqui percebi que Jesus personifica esta imagem, como aquele que se desliga das suas preocupações, dos seus interesses pessoais, para se doar concretamente ao outro. O dever de cada ser humano é responder a este apelo do Senhor, transformando-se no próprio Cristo, olhando, vendo e executando como Ele.

O chamamento tem sempre uma nota forte que é a determinação, num ambiente de escuta perene para a realização da vontade de Deus. A oração é o meio mais eficaz para discernir esse mesmo chamamento, pois é através do encontro com o Senhor que nos deixamos interpelar, seduzir e conduzir. Foi isto que fez Francisco de Assis quando ouviu a voz de Cristo em Espoleto, deixou-se conduzir pela voz doce do apelo do Senhor, encontrando assim a felicidade, assente numa plena realização. Conduzido pelo Espírito, Francisco cumpriu a sua vocação como arauto do Evangelho numa humanidade tão sedenta da palavra de Deus, fazendo dos seus actos os mesmos actos de Cristo.

A vocação de todo o cristão deve ser autêntica ao ponto de fazer arder o coração do próximo com o fogo concreto de Deus, sendo imagem e espelho do próprio Cristo, pobre, casto e obediente, que tudo fez para acender a misericórdia em todos. Para autentificar o meu contínuo chamamento decidi prosseguir para o Noviciado que teve lugar na fraternidade de Barcelos. Durante este ano intenso de oração, formação e de contínuo discernimento fui amadurecendo o desejo de me tornar todo de Jesus.

Mais concreta a vocação Religiosa, que é a semente autêntica na terra da Igreja, que dá o seu fruto a seu tempo na pobreza, na castidade e na obediência. E é dado a conhecer ao mundo que há uma riqueza que não enferruja mas também há uma obediência que se coloca nas mãos de Deus e uma castidade que sem castrações se disponibiliza para viver autenticamente o amor fraterno sem acepção de pessoas, que nos leva a abraçar toda a humanidade.

Fazendo este percurso de amor, no passado mês de Setembro, mais concretamente no dia 10, fiz os meus votos temporários, onde entreguei ao Senhor toda a minha vida, prometendo viver em pobreza, castidade e obediência.

Ao longo deste tempo fui respondendo ao apelo do Senhor de seguir em frente neste belo caminho que é a vida consagrada. Também São Francisco ouviu a voz do Senhor e deu-se todo para todos e respondeu na totalidade ao chamamento do Senhor que lhe disse: “Vai e repara a minha Igreja”. (LM 2.1) Aqui entra a dimensão do cumprimento dos votos de consagração que são vividos em plena união com Cristo, uma vez que só assim fazem sentido porque com Cristo tudo é possível, estando em contacto com o Espírito Santo que me impulsiona a uma consagração livre e assente no amor.

Este apelo doce e constante do Senhor, de viver em união íntima com Ele, motiva-me para prosseguir em diante, sendo instrumento da Sua paz, tendo sempre a meu lado Maria, a Mãe solícita que tudo faz para nos conduzir a Deus.

Agenda

Mais lidos

  • Semana

  • Mês

  • Todos