Entre os sete decretos assinados pelo Papa Francisco que reconhecem as virtudes heroicas de novos Veneráveis está também o de frei Damião de Bozzano, capuchinho que evangelizou o nordeste brasileiro e dizia ser apenas um mensageiro de Deus.

Frei Damião nasceu em Bozzano, na Itália, em 5 de novembro de 1898, tendo recebido o nome de Pio Gianotti. Era o segundo de cinco filhos do casal de camponeses Felice e Maria Giannotti, de sólida formação católica.

Ainda aos 10 anos, após ser crismado, começou a expressar os primeiros sinais de vocação e, aos 13 anos, ingressou no Seminário Seráfico de Camigliano, da Ordem dos Frades Menores Capuchinhos, em 17 de março de 1911.

Aos 17 anos, em julho de 1915, emitiu os primeiros votos e recebeu o nome de frei Damião de Bozzano. Entretanto, precisou interromper os seus estudos de Filosofia após ser convocado, em setembro de 1918, para o serviço militar na Primeira Guerra Mundial.

Retornou ao Convento no fim da Guerra e emitiu a sua profissão perpétua. Em 1920, foi estudar Teologia na Pontifícia Universidade Gregoriana, em Roma.

Frei Damião foi ordenado sacerdote em 25 de agosto de 1923, na igreja do antigo Colégio São Lourenço de Brindes, em Roma. E, em 1931, foi enviado para o Brasil, onde chegou em 17 de junho, tendo-se estabelecido no Convento Nossa Senhora da Penha, em Recife (PE). Após esta chegada, foram 66 anos dedicados às Santas Missões.

As Santas Missões eram vistas como “tempo forte de graça e conversão”, que costumavam durar de segunda-feira a domingo. Durante esta semana missionária, o frade proclamava a Palavra de Deus numa cidade, por isso, afirmava ser apenas um mensageiro de Deus.

As Santas Missões contavam com sermões, catequeses, encontros específicos com homens, mulheres, jovens, crianças, visitava os doentes, os presos. Além disso, dedicava-se ao sacramento da Reconciliação, atendendo confissões por mais de 12 horas por dia, orientando os corações para Cristo.

Com os anos, adquiriu uma deformação na coluna que o deixou encurvado, provocando dificuldades na fala e na respiração. Além disso, durante muito tempo, sofreu de erisipela, devido à má circulação sanguínea.

Em 1990, sofreu uma embolia pulmonar, por isso, a partir de então, diminuiu o ritmo das Santas Missões, passando apenas para os fins de semana. Mas a sua saúde agravou-se em 1997, ano em que realizou sua última Santa Missão na cidade de Capoeiras (PE), no mês de fevereiro.

Em 12 de maio de 1997, foi internado no Real Hospital Português, na capital pernambucana, onde foi visto a realizar aquela que foi chamada “sua última missão”, rezou o terço com o povo numa das salas do hospital.

No dia seguinte, 13 de maio, sofreu um derrame cerebral e foi levado para a UTI, vindo a falecer a 31 de maio de 1997, aos 98 anos. O seu corpo foi enterrado na capela de Nossa Senhora das Graças, de quem era devoto, no Convento São Félix, em Recife.

Frei Damião de Bozzano

 

Para além de frei Damião, foi ainda declarado venerável um outro Capuchinho, frei Rafael de Sant’Elia a Pianisi. Nasceu em Sant’Elia a Pianisi, na Itália, em 14 de dezembro de 1816, e ali faleceu em 6 de janeiro de 1901.