De 26 de Agosto a 15 de Setembro de 2018, realizou-se, em Roma, o 85º Capítulo Geral da Ordem dos Frades Menores Capuchinhos, sob a luz do versículo evangélico: “Discite a me... et invenietis” (Cf. Mt 11,29). Contou com a participação de 188 Capitulares, de diversas línguas e culturas, provenientes de todas as partes do mundo. De Portugal, participaram o Fr. Fernando Alberto Pedrosa Cabecinhas, na qualidade de Ministro Provincial, o Fr. Luís Manuel Novais Leitão, na qualidade de delegado dos frades não sacerdotes de Portugal e Espanha, e o Fr. Fernando Gustavo Ventura, na qualidade de intérprete para a língua espanhola.

No Capítulo procedeu-se à eleição do novo Governo geral da Ordem para o sexénio de 2018-2024, formado por representantes das várias áreas geográficas onde a Ordem está presente. Para Ministro Geral foi eleito o Fr. Roberto Genuin, da Província de Veneza. É o 73° Ministro Geral da Ordem. Para o auxiliar, elegeram-se 10 Conselheiros gerais, de entre os quais se elegeu como Vigário Geral o Fr. José Ángel Torres Rivera, Custódio de Porto Rico.

Para além da eleição do Governo geral da Ordem, foram tratados outros assuntos, nomeadamente a discussão sobre a Ratio Formationis Ordinis, o Estatuto da Cúria Geral, o Estatuto da Solidariedade Económica Internacional, as casas fora da própria circunscrição, e a colaboração fraterna entre circunscrições. Aprovaram-se ainda algumas pequenas alterações nas Ordenações dos Capítulos gerais. O tema da tutela dos menores e adultos vulneráveis mereceu também particular atenção e aprofundamento por parte dos Capitulares, que repudiaram vivamente tais crimes e expressaram a sua comunhão com a dor de toda a Igreja e das vítimas de abusos, propondo-se intensificar na Ordem os mecanismos que garantam a aplicação das políticas de prevenção e atuação a respeito de tão grave delito.

Um dos momentos particularmente significativos destes dias de Capítulo, foi a peregrinação a Assis. Alí, diante da tumba de São Francisco, no Sacro Convento, o Ministro Geral e o Vigário renovaram a profissão de fé e juraram a sua fidelidade à Santa Igreja, ao Sumo Pontífice, ao seu Magistério, e aos Bispos unidos em comunhão com o Papa. Após a celebração eucarística, os frades Capitulares partilharam o almoço com os confrades conventuais no grande refeitório do Sacro Convento. Outro momento muito significativo foi a audiência com o Papa Francisco, no Vaticano, na qual, com palavras improvisadas, deixou o apelo a que os Capuchinhos continuem a ser assim como são, “à capuchinha”: frades do povo, da reconciliação e da oração simples.

O Capítulo foi também muito enriquecido com a presença de entidades convidadas para algum dos momentos, na liturgia e nas sessões capitulares: D. Frei Andrés Stanovnik, capuchinho, Arcebispo de Corrientes, na Argentina, que presidiu à Eucaristia do dia da abertura; D. José Rodriguez Carballo, Secretário da Congregação para os Institutos de Vida Consagrada e as Sociedades de Vida Apostólica, que presidiu a uma das celebrações eucarísticas; Cardeal João Braz de Aviz, Prefeito da Congregação para os Institutos de Vida Consagrada e as Sociedades de Vida Apostólica, que também presidiu a uma das celebrações eucarísticas; D. Domenico Sorrentino, Bispo de Assis, que presidiu às Vésperas, na Casa de Retiros “Domus Laetitiae”, em Assis, e dirigiu aos Capitulares palavras muito interpelativas sobre o despojamento de São Francisco, a propósito do Santuário que lhes foi confiado em Assis e evoca esse episódio da vida de Francisco; P. Giuseppe Roggia, salesiano, que ajudou na elaboração da Ratio Formationis e falou da importância e complexidade dos problemas relativos à formação; Fr. Michael Anthony Perry, Ministro Geral dos Frades Menores Observantes; Fr. Tadeusz Świątkowski, Conselheiro Geral dos Frades Menores Conventuais, em representação do Ministro Geral Fr. Marco Tasca; Tibor Kauser, Ministro Geral da Ordem Franciscana Secular; Ir. Maria Assunta Bertone, Presidente da Federação das Clarissas Capuchinhas da Itália. Destaque-se ainda, entre várias visitas, a do cardeal capuchinho americano, frei Sean Patrick O’Malley, arcebispo de Boston.

O Capítulo foi ainda o momento oportuno para, através do Relatório do Ministro Geral cessante, Fr. Mauro Jöhri, se ficar a par do estado atual da Ordem. No final de 2017 a Ordem tinha 10.127 frades, tendo havido uma diminuição de 237 frades nestes últimos seis anos. A par desta diminuição constata-se que há um número elevado de frades em formação, em crescimento sobretudo na Ásia e na África, continentes onde estará o futuro da Ordem. A situação dos países da Europa Oriental é estável. Nas Américas verifica-se uma ligeira diminuição, a qual se torna particularmente notória e preocupante na Europa Ocidental. No sexénio que terminou, 15 frades foram nomeados bispos. Registou-se também um bom número de frades beatificados ou canonizados.

Uma novidade deste Capítulo foi a de ter sido um Capítulo sem papeis, tendo sido dado a cada Capitular um tablet, no qual podia ler nas várias línguas todos os documentos capitulares, seguir a liturgia e participar nas votações. Para além de ser mais ecológica, esta opção acabou por ser também mais económica. É claro que muitos dos Capitulares andaram “aos papéis”, enquanto não se familiarizaram com as novas tecnologias.

Agenda

Mais lidos

  • Semana

  • Mês

  • Todos