Sl 78

Da Biblia Online

78 (77) AS LIÇÕES DA HISTÓRIA (105; 106)

Salmo histórico: faz uma meditação e propõe uma interpretação sobre o significado da História. De início, aparece uma chamada de atenção muito ao gosto da literatura sapiencial. O ritmo que o salmo vê acontecer no passado de Israel é o da oscilação do pêndulo entre a rebelião do povo e o castigo recebido da parte de Deus. A tribo de Judá aparece claramente como preferida, em contraposição com as tribos do Norte. Há aqui uma espécie de súmula de Teologia e História e notam-se várias analogias entre este salmo e o Deuteronómio.


1Poema. De Asaf.
Escuta, meu povo, os meus ensinamentos;
presta atenção às minhas palavras.
2Vou abrir a minha boca em parábolas
e revelar os enigmas de outros tempos.
3O que ouvimos e aprendemos
e os nossos antepassados nos transmitiram,
4não o ocultaremos aos seus descendentes;
tudo contaremos às gerações vindouras:
as glórias do SENHOR e o seu poder,
e as maravilhas que Ele fez.
5Ele estabeleceu um preceito em Jacob,
instituiu uma lei em Israel.
E ordenou aos nossos pais
que a ensinassem aos seus filhos,
6para que as gerações futuras a conhecessem
e os filhos que haviam de nascer
a contassem aos seus próprios filhos;
7para que pusessem em Deus a sua confiança
e não esquecessem as suas obras,
mas obedecessem aos seus mandamentos.
8Para que não fossem como os seus pais,
uma geração rebelde e desobediente,
uma raça de coração inconstante
e de espírito infiel ao seu Deus.
9Os filhos de Efraim, archeiros equipados,
puseram-se em fuga no dia do combate.
10Não guardaram a aliança de Deus,
recusaram-se a cumprir a sua lei;
11esqueceram-se das suas obras,
das maravilhas que Ele lhes mostrou.
12Diante de seus pais, Deus fez maravilhas,
na terra do Egipto, nos campos de Soan.
13Abriu o mar para os fazer passar,
conteve as águas como um dique.
14Conduziu-os, de dia, com uma nuvem,
e, de noite, com o seu clarão de fogo.
15Fendeu os rochedos no deserto
e deu-lhes a beber águas abundantes.
16Deus fez brotar rios das pedras,
fez correr águas caudalosas.
17Mas eles continuaram a pecar,
revoltando-se contra o Altíssimo no deserto.
18Provocaram a Deus em seus corações,
reclamando manjares, segundo os seus apetites.
19Murmuraram contra Ele, dizendo:
«Será Deus capaz de nos preparar a mesa no deserto?
20Ele feriu a rocha e logo brotaram as águas
e correram torrentes abundantes;
mas, poderá também dar pão
e preparar carne para o seu povo?»
21O SENHOR ouviu e indignou-se,
ateou-se nele um fogo contra Jacob
e a sua ira cresceu contra Israel,
22porque não tiveram fé em Deus,
nem confiaram no seu auxílio.
23Deus ordenou às nuvens
e abriu as portas do céu.
24Fez chover o maná para eles comerem
e deu-lhes o pão do céu.
25Comeram todos o pão dos fortes;
enviou-lhes comida em abundância.
26Fez soprar dos céus o vento leste
e, com o seu poder, fez vir o vento sul.
27Fez chover do céu carne como grãos de poeira,
e aves tão numerosas como as areias do mar.
28Fê-las cair no meio do acampamento,
ao redor das suas tendas.
29Comeram até se saciarem:
e assim Deus satisfez os seus desejos.
30Ainda não tinham o seu apetite saciado,
ainda a comida estava na sua boca,
31quando a ira de Deus caiu sobre eles:
semeou a morte entre os mais fortes
e abateu os jovens de Israel.
32Apesar de tudo isto, persistiram no pecado,
não acreditaram nas suas maravilhas.
33Por isso, Deus extinguiu os seus dias como um sopro,
e os seus anos, como uma ilusão.
34Quando os castigava, eles procuravam-no,
convertiam-se e voltavam-se para Deus.
35Recordavam-se então que Deus era o seu protector,
que o Altíssimo era o seu libertador.
36Mas logo o enganavam com a boca
e lhe mentiam com a língua.
37Os seus corações não eram leais com Ele,
nem fiéis à sua aliança.
38Mas Deus, que é misericordioso,
perdoava-lhes os pecados e não os destruía.
Muitas vezes conteve a sua ira,
e não deixou que o seu furor se avivasse.
39Lembrou-se de que eles eram humanos,
um sopro que passa e não volta mais!
40Quantas vezes o provocaram no deserto
e o contristaram na estepe!
41Voltaram constantemente a pôr Deus à prova,
a ofender o Santo de Israel.
42Esqueceram a obra das suas mãos,
no dia em que os libertou da opressão,
43quando no Egipto realizou os seus prodígios
e as suas maravilhas nas planícies de Soan;
44quando converteu em sangue os seus rios e canais,
para que os egípcios não pudessem beber.
45Mandou-lhes moscas venenosas, que os devoravam,
e rãs que os destruíam.
46Entregou as suas colheitas aos insectos
e o fruto do seu esforço aos gafanhotos.
47Destruiu as suas vinhas com a saraiva
e os seus sicómoros com a geada.
48Feriu os seus gados com granizo
e os seus rebanhos com os raios.
49Descarregou contra eles a sua ira,
a indignação, o furor e a aflição,
como uma legião de mensageiros da desgraça.
50Deu livre curso à sua ira; não os livrou da morte!
Entregou as suas vidas à peste!
51Feriu os primogénitos do Egipto,
as primícias da sua raça, nas tendas de Cam.
52Fez sair o seu povo como um rebanho,
como manada os conduziu pelo deserto.
53Guiou-os com segurança e não tiveram medo,
enquanto afundava no mar os seus inimigos.
54Introduziu-os na sua terra santa,
na montanha que a sua direita conquistou.
55Diante deles expulsou as nações,
distribuiu entre eles aquela terra como herança
e instalou nas suas tendas as tribos de Israel.
56Mas eles puseram à prova e ofenderam o Altíssimo
e não observaram os seus preceitos.
57Transviaram-se e apostataram como seus pais,
desviaram-se como a seta de um arco frouxo.
58Irritaram-no nos lugares altos,
provocaram os seus ciúmes com o culto dos ídolos.
59Deus ouviu isto e indignou-se,
e repudiou Israel com veemência.
60Abandonou o santuário de Silo,
a tenda onde morava entre os homens.
61Entregou ao cativeiro a sua fortaleza
e o seu esplendor na mão dos inimigos.
62Entregou o seu povo à espada,
irritou-se contra a sua herança.
63Os seus jovens foram devorados pelo fogo,
e as suas virgens ficaram por casar.
64Os seus sacerdotes foram passados à espada,
e as suas viúvas não choraram os maridos.
65Mas o Senhor despertou, como que estremunhado,
qual guerreiro vencido pelo vinho.
66E feriu os seus inimigos pelas costas;
infligiu-lhes eterna humilhação.
67Assim rejeitou as tendas de José
e não escolheu a tribo de Efraim;
68escolheu antes a tribo de Judá
e o monte de Sião, seu preferido.
69Construiu o seu santuário, alto como o céu
e firme para sempre, como a terra.
70Escolheu o seu servo David,
tomando-o do aprisco das ovelhas.
71Retirou-o de andar atrás dos rebanhos,
para que apascentasse a Jacob, seu povo,
e a Israel, sua herança.
72David apascentou-os com um coração recto
e conduziu-os com mão prudente.



Salmos

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 34 35 36 37 38 39 40 41 42 43 44 45 46 47 48 49 50 51 52 53 54 55 56 57 58 59 60 61 62 63 64 65 66 67 68 69 70 71 72 73 74 75 76 77 78 79 80 81 82 83 84 85 86 87 88 89 90 91 92 93 94 95 96 97 98 99 100 101 102 103 104 105 106 107 108 109 110 111 112 113 114 115 116 117 118 119 120 121 122 123 124 125 126 127 128 129 130 131 132 133 134 135 136 137 138 139 140 141 142 143 144 145 146 147 148 149 150

Ferramentas pessoais