Lc 20

Da wiki Biblia Online
Ir para: navegação, pesquisa

Autoridade de Jesus (Mt 21,23-27; Mc 11,27-33) - 1Num daqueles dias, estando Ele no templo a ensinar o povo e a anunciar a Boa-Nova, apresentaram-se os sumos sacerdotes, os doutores da Lei e os anciãos 2e dirigiram-lhe a palavra, dizendo: «Diz-nos com que autoridade fazes estas coisas, ou quem te deu tal autoridade.» 3Respondeu-lhes: «Também Eu vou fazer-vos uma pergunta. Dizei-me: 4o baptismo de João era do Céu, ou dos homens?»

5Eles começaram a discorrer entre si, dizendo: «Se respondermos que era do Céu, Ele dirá: ‘Porque não acreditastes nele?’ 6Se respondermos que era dos homens, todo o povo nos apedrejará, porque consideram João como profeta.» 7Responderam, então, que não sabiam de onde era. 8Jesus disse-lhes: «Também Eu não vos digo com que autoridade faço isto.»


Parábola dos vinhateiros homicidas (Mt 21,33-46; Mc 12,1-12) - 9Começou, depois, a expor ao povo a seguinte parábola:

«Um homem plantou uma vinha, arrendou-a a uns vinhateiros e ausentou-se por muito tempo. 10No devido tempo, mandou um servo aos vinhateiros, para estes lhe entregarem parte dos frutos da vinha. Mas os vinhateiros despediram-no de mãos vazias, depois de o terem açoitado. 11Enviou outro servo, mas também o açoitaram, ultrajaram e despediram-no sem nada. 12Enviou ainda um terceiro; e eles, depois de o ferirem, lançaram-no fora.

13O dono da vinha disse, então: ‘Que hei-de fazer? Vou mandar-lhes o meu filho bem amado; talvez o respeitem.’ 14Mas, quando o viram, os vinhateiros disseram uns aos outros: ‘Este é que é o herdeiro; matemo-lo, para que a herança seja nossa.’ 15E, lançando-o fora da vinha, mataram-no. A esses, que lhes fará o dono da vinha? 16Virá, exterminará os vinhateiros e entregará a vinha a outros.»

Ouvindo isto, eles disseram: «Que Deus não o permita!» 17Fitando-os, Jesus disse-lhes: «Que significa, então, o que está escrito:

A pedra que os construtores rejeitaram
veio a tornar-se pedra angular?

18Todo aquele que cair sobre esta pedra ficará despedaçado, e aquele sobre quem ela cair ficará esmagado.»

19Naquela altura, os doutores da Lei e os sumos sacerdotes procuravam deitar-lhe a mão, pois tinham compreendido que esta parábola lhes era dirigida; mas tiveram receio do povo.


O tributo a César (Mt 22,15-22; Mc 12,13-17) - 20Então, puseram-se à espreita e mandaram-lhe espiões, que se fingiam justos com o fim de o surpreender em alguma palavra, para o entregarem ao poder e à jurisdição do governador. 21Fizeram-lhe a seguinte pergunta: «Mestre, sabemos que falas e ensinas com rectidão e não fazes acepção de pessoas, mas ensinas o caminho de Deus segundo a verdade. 22Devemos pagar tributo a César, ou não?»

23Conhecendo a sua astúcia, Ele respondeu-lhes: 24«Mostrai-me um denário. De quem é a efígie e a inscrição?» Eles disseram: «De César.» 25Disse-lhes, então: «Dai, pois, a César o que é de César e a Deus o que é de Deus.» 26Não conseguiram apanhar-lhe uma palavra em falso diante do povo; ao contrário, admirados com a sua resposta, ficaram calados.


Ressurreição dos mortos (Mt 22, 23-33; Mc 12,18-27) - 27Aproximaram-se alguns saduceus, que negam a ressurreição, e interrogaram-no: 28«Mestre, Moisés prescreveu-nos que, se morrer um homem deixando a mulher, mas não tendo filhos, seu irmão casará com a viúva, para dar descendência ao irmão. 29Ora, havia sete irmãos: o primeiro casou-se e morreu sem filhos; 30o segundo, 31depois o terceiro, casaram com a viúva; e o mesmo sucedeu aos sete, que morreram sem deixar filhos. 32Finalmente, morreu também a mulher. 33Ora bem, na ressurreição, a qual deles pertencerá a mulher, uma vez que os sete a tiveram por esposa?»

34Jesus respondeu-lhes: «Nesta vida, os homens e as mulheres casam-se; 35mas aqueles que forem julgados dignos da vida futura e da ressurreição dos mortos não se casam, sejam homens ou mulheres, 36porque já não podem morrer: são semelhantes aos anjos e, sendo filhos da ressurreição, são filhos de Deus. 37E que os mortos ressuscitam, até Moisés o deu a entender no episódio da sarça, quando chama ao Senhor o Deus de Abraão, o Deus de Isaac e o Deus de Jacob. 38Ora, Deus não é Deus de mortos, mas de vivos; pois, para Ele, todos estão vivos.»

39Tomando, então, a palavra, alguns doutores da Lei disseram: «Mestre, falaste bem.» 40E já não se atreviam a interrogá-lo sobre mais nada.


O Messias, Filho e Senhor de David (Mt 22,41-46; Mc 12,35-37; Jo 7,41-42) - 41Jesus perguntou-lhes: «Como é que dizem que o Messias é filho de David, 42se o próprio David diz no Livro dos Salmos:

Disse o Senhor ao meu Senhor:
Senta-te à minha direita,
43até que Eu ponha os teus inimigos
por escabelo dos teus pés.

44Se David lhe chama ‘Senhor’, como pode Ele ser seu Filho?»


Hipocrisia dos doutores da Lei (Mt 23,1-36; Mc 12,38-40) - 45Quando todo o povo o escutava, Jesus disse aos discípulos: 46«Tomai cuidado com os doutores da Lei, que sentem prazer em passear de túnicas compridas, e gostam de ser cumprimentados nas praças públicas, dos primeiros lugares nas sinagogas e dos primeiros assentos nos banquetes; 47eles, que devoram as casas das viúvas, simulando longas orações, terão um castigo mais severo.»



Capítulos

Lc 1 Lc 2 Lc 3 Lc 4 Lc 5 Lc 6 Lc 7 Lc 8 Lc 9 Lc 10 Lc 11 Lc 12 Lc 13 Lc 14 Lc 15 Lc 16 Lc 17 Lc 18 Lc 19 Lc 20 Lc 21 Lc 22 Lc 23 Lc 24