Is 38

Da wiki Biblia Online
Ir para: navegação, pesquisa

Doença e cura de Eze­quias (2 Rs 20,1-11; 2 Cr 32,24-29) – 1Por este tempo, o rei Eze­quias adoeceu de uma enfermidade mor­tal. O profeta Isaías, filho de Amós, veio visitá-lo e disse-lhe: «Eis o que diz o Senhor: Faz o testamento, por­que vais mor­rer muito brevemente.» 2Ezequias vol­tou o rosto para a pa­rede e fez ao Se­nhor esta oração:


3«Senhor, lembra-te

que tenho andado fielmente dian­te de ti,

com um coração sincero e íntegro,

pois fiz sempre a tua vontade.»

E começou a chorar, derramando lágrimas abundantes. 4Então, a pa­la­vra do Senhor foi dirigida a Isaías nestes termos: 5«Vai e diz a Eze­quias: ‘Eis o que diz o Senhor, o Deus de teu pai David: Ouvi a tua oração e vi as tuas lágrimas; vou acres­cen­tar à tua vida mais quinze anos. 6Hei-de livrar-te, a ti e a esta cidade, das mãos do rei da Assíria e protegê-la-ei.’» 7Isaías disse-lhe: «É este o sinal, da parte do Senhor, para que sai­bas que Ele cumprirá a promessa: 8No re­­lógio de sol de Acaz farei retro­ce­der a sombra dez graus, tantos quan­tos tinha avançado.» E o sol retro­ce­deu os dez graus que já tinha avan­çado.


Cântico de Ezequias (Sl 30; 88) – 9Poema que Ezequias, rei de Judá, compôs por ter sido curado da sua doença:


10 «Eu pensei: ‘A meio dos meus dias vou ter de descer às portas do Abismo, privado do resto dos meus anos’. 11Eu pensei: ‘Não mais verei o Se­nhor na terra dos vivos. Não mais verei os homens entre os habitantes do mundo. 12A minha morada é levada para longe de mim, como uma tenda de pastor; enrolei a minha vida como um te­celão, mas acabou-se-me por falta de fio. Dia e noite, Senhor, me estais con­sumindo, 13e soluço até ao amanhecer. Como um leão, Ele me quebrou todos os ossos, dia e noite me estais consumindo. 14Pio como a andorinha, arrulho como a pomba. Os meus olhos cansam-se de olhar para o alto. Senhor, estou em agonia, con­for­tai-me!’ 15Mas que poderei dizer-lhe para que me responda, se é Ele quem faz isto? Hei-de aguentar todos os meus anos, com esta amargura na alma? 16Aqueles que o Senhor protege vi­vem, e entre eles viverei também eu. Tu me curaste, ó Deus, e me con­servaste a vida. 17A minha amargura converteu-se em paz, quando preservaste a minha vida do túmulo vazio; lançaste para trás de ti todos os meus pecados. 18 O abismo dos mortos não te lou­vará, nem a morte te celebrará, nem esperam na tua fidelidade os que descem à sepultura. 19Apenas os vivos te podem louvar como eu te louvo agora. O pai dará a conhecer aos seus filhos a tua fidelidade. 20Senhor, salva-me e tocaremos as nossas harpas todos os dias da nossa vida, na casa do Senhor.» 21Depois, Isaías deu esta ordem: «Tragam um emplastro de figos e apliquem-no na parte doente e fi­cará curado.» 22E Ezequias per­gun­tou: «Qual é o sinal que me garanta que ainda poderei ir ao templo do Senhor?»



Capítulos

Is 1 Is 2 Is 3 Is 4 Is 5 Is 6 Is 7 Is 8 Is 9 Is 10 Is 11 Is 12 Is 13 Is 14 Is 15 Is 16 Is 17 Is 18 Is 19 Is 20 Is 21 Is 22 Is 23 Is 24 Is 25 Is 26 Is 27 Is 28 Is 29 Is 30 Is 31 Is 32 Is 33 Is 34 Is 35 Is 36 Is 37 Is 38 Is 39 Is 40 Is 41 Is 42 Is 43 Is 44 Is 45 Is 46 Is 47 Is 48 Is 49 Is 50 Is 51 Is 52 Is 53 Is 54 Is 55 Is 56 Is 57 Is 58 Is 59 Is 60 Is 61 Is 62 Is 63 Is 64 Is 65 Is 66