Habacuc

Da Biblia Online

Nada sabemos da pessoa deste profeta: nem o seu lugar de nasci­mento, nem a sua famí­lia, nem sequer o período em que viveu. Esta falta de dados não impede ver no livro de Habacuc alguém profundamente enraizado na História do seu tempo e em toda a problemática da acção de Deus na História.


ÉPOCA

A menção dos caldeus, «aquele povo feroz e impetuoso / que se es­palha pela superfície da terra / para se apoderar de habitações que não são suas» (1,6), leva a colocar a profecia de Habacuc na época em que os Babi­lónios começaram a dominar todas as regiões do Próximo Oriente Antigo (final do séc. VII a.C.) e impuseram o seu jugo sobre Judá. Assim, Habacuc situar-se-ia nos tempos do rei Joaquim (609-597 a.C.) ou no período a seguir a 597, data da primeira deportação para a Babilónia.

Muitos elementos cultuais presentes no livro (o mais claro de todos é o cap. 3) fazem com que alguns comentadores o relacionem com as liturgias penitenciais de tempos posteriores. Mas é preciso discernir sempre se os orá­culos proféticos foram retocados para uso litúrgico, ou se os elementos da litur­gia é que foram reelaborados em forma profética. Como essa distinção não é fácil, mantemos no início do domínio babi­ló­nico a composição pro­vá­vel do livro.


DIVISÃO E CONTEÚDO

O livro apresenta-se estruturado em três partes:

I. Diálogo entre o profeta e Deus (1,2-2,4), formado por duas queixas do profeta (1,2-4 e 1,12-17) e duas respostas de Deus (1,5-11 e 2,1-4). A pri­meira queixa coloca o problema da justiça: porque triunfam os ímpios? A pri­meira resposta divina não satisfaz o profeta, pois os babilónios acabam por se exceder e são mais cruéis do que os outros. Por isso, o profeta queixa-se de novo (1,12-17), não compreendendo como Deus olha em silêncio para os traidores. A segunda resposta aponta para o cumprimento da pala­vra divina: o profeta recebe a palavra e aguarda o seu cum­primento.
II. Maldições contra o opressor (2,5-20): inclui cinco im­precações, con­­de­nando todos os crimes cometidos pela tirania dos pode­rosos.
III. Um salmo (3,1-19) que celebra o triunfo defi­nitivo de Deus na Natu­reza e na História.


TEOLOGIA

O grande tema do livro de Habacuc é o da justiça divina. Deus é o Senhor da História, e esta soberania de Deus só se compreende na fé (2,4). A sucessão de crimes e violências que caracterizam os impérios leva o profeta a interrogar-se diante de Deus, esperando o castigo dos opressores.

Mas o castigo violento gera violência e o problema fica sem solução. O pro­feta supera esta questão, convencido de que Deus é a única fonte de fortaleza e todo o império opressor acabará por ser castigado, mesmo que não se com­preendam as circunstâncias históricas.



Capítulos

Hab 1 Hab 2 Hab 3

Ferramentas pessoais