Is 49

Da wiki Biblia Online
Ir para: navegação, pesquisa
II. Restauração de Sião e salvação universal (49,1-55,13)


Segundo cântico do Ser­vo (49,1-6; ver 42,1-4; 50,4-11; 52,13-53,12)


A Mis­são

1«Ouvi-me, habitantes das ilhas, prestai atenção, povos de longe. Quando ainda estava no ventre materno, o Senhor chamou-me, quando ainda estava no seio da minha mãe, pronunciou o meu nome. 2Fez da minha palavra uma es­pada afiada, escondeu-me na concha da sua mão. Fez da minha mensagem uma seta penetrante, guardou-me na sua aljava. 3Disse-me: «Israel, tu és o meu servo, em ti serei glorificado.» 4Eu dizia a mim mesmo: «Em vão me cansei, em vento e em nada gastei as mi­nhas forças.» Porém, o meu direito está nas mãos do Senhor, e no meu Deus a minha recom­pensa. 5E agora o Senhor declara-me que me formou desde o ventre ma­­terno, para ser o seu servo, para lhe reconduzir Jacob e para lhe congregar Israel. Assim me honrou o Senhor. O meu Deus tornou-se a minha força. 6Disse-me: «Não basta que sejas meu servo, só para restaurares as tribos de Jacob e reunires os sobreviventes de Israel. Vou fazer de ti luz das nações, para que a minha salvação che­gue até aos confins da terra.»


Regresso dos exilados

7Eis o que diz o Senhor, o redentor e Deus santo de Is­rael, ao desprezado e abandonado pe­las gentes, ao escravo dos tiranos: «Os reis hão-de levantar-se ao ver-te, os príncipes se prostrarão, porque o Senhor é fiel, porque o Santo de Israel te esco­lheu.» 8Eis o que diz o Senhor: «Eu respondi-te no tempo da graça e socorri-te no dia da salvação. Defendi-te e designei-te como aliança do povo, para restaurares o país e repartires as heranças devas­tadas, 9para dizeres aos prisioneiros: ‘Saí da prisão!’ E aos que estão nas trevas: ‘Vin­de à luz!’ Ao longo dos caminhos encon­tra­rão que comer, e em todas as dunas arranjarão alimento. 10Não padecerão fome nem sede, e não os molestará o vento quen­te nem o sol, porque o que tem compaixão de­les os guiará, e os conduzirá em direcção às fon­tes. 11Transformarei os meus montes em caminhos planos, e as minhas estradas serão al­teadas. 12Vede como eles chegam de longe! Uns vêm do Norte e do Poente, e outros, da terra de Siene.» 13Cantai, ó céus! Exulta de alegria, ó terra! Rompei em exclamações, ó mon­tes! Na verdade, o Senhor consola o seu povo e se compadece dos desam­pa­ra­dos.


Restauração de Sião

(54; 66,7-14; Br 4,30-5,9) 14Sião dizia: «O Senhor abandonou-me, o meu dono esqueceu-se de mim.» 15Acaso pode uma mulher esquecer-se do seu bebé, não ter carinho pelo fruto das suas entranhas? Ainda que ela se esquecesse dele, Eu nunca te esqueceria. 16Eis que Eu gravei a tua ima­gem na palma das minhas mãos. As tuas muralhas estão sempre diante dos meus olhos. 17Os que te vão reconstruir an­dam mais rápidos que os que destroem. Os que te devastam fogem de ti. 18Levanta os olhos à tua volta e vê como todos se reuniram para vir a ti. Juro pela minha vida – diz o Se­nhor – todos serão para ti como um ves­tido precioso, ou como o teu adorno de noiva. 19As tuas ruínas e devastações e o teu território saqueado serão estreitos para os teus ha­bitantes, e serão afugentados para longe os que te devoravam. 20Hás-de ouvir dizer aos filhos que julgavas perdidos: «Este lugar é demasiado estreito; chega-te para aí, para eu poder habitar.» 21E tu perguntarás: «Quem me deu à luz estes filhos? Eu não tinha filhos, era estéril, quem os criou? Estava desamparada e só; donde vieram estes?» 22Isto diz o Senhor Deus: «Olha como Eu com a minha mão faço um sinal às nações, levanto o meu estandarte para os povos: trarão os teus filhos nos braços e as tuas filhas aos ombros. 23Os seus reis serão os teus protec­tores, as suas princesas as tuas amas; prostrando-se diante de ti, com o rosto por terra, lamberão o pó dos teus pés. Então reconhecerás que Eu sou o Senhor, e que não serão confundidos os que confiam em mim. 24Acaso pode tirar-se ao guerreiro o despojo conquistado ou arrancar o prisioneiro ao ven­cedor?» 25Porém, o Senhor diz: «Mesmo que se possa tirar ao guer­­­­reiro o despojo conquis­tado e ao vencedor o prisioneiro, Eu sempre defenderei a tua causa e salvarei os teus filhos. 26Farei comer aos teus opressores as suas próprias carnes. Que se embriaguem com o seu próprio sangue, como se fosse vinho. Então toda a gente saberá que Eu, o Senhor, teu salvador e teu redentor sou o herói de Jacob.»



Capítulos

Is 1 Is 2 Is 3 Is 4 Is 5 Is 6 Is 7 Is 8 Is 9 Is 10 Is 11 Is 12 Is 13 Is 14 Is 15 Is 16 Is 17 Is 18 Is 19 Is 20 Is 21 Is 22 Is 23 Is 24 Is 25 Is 26 Is 27 Is 28 Is 29 Is 30 Is 31 Is 32 Is 33 Is 34 Is 35 Is 36 Is 37 Is 38 Is 39 Is 40 Is 41 Is 42 Is 43 Is 44 Is 45 Is 46 Is 47 Is 48 Is 49 Is 50 Is 51 Is 52 Is 53 Is 54 Is 55 Is 56 Is 57 Is 58 Is 59 Is 60 Is 61 Is 62 Is 63 Is 64 Is 65 Is 66