2 Cr 9

Da wiki Biblia Online
Ir para: navegação, pesquisa

A rainha de Sabá em Jeru­sa­lém (1 Rs 10,1-13) – 1A rainha de Sabá ouviu falar da fama de Salo­mão. A fim de o provar por meio de enigmas, veio a Jerusalém, acom­pa­nhada de numeroso séquito, de came­los carregados com aromas e grande quantidade de ouro e pedras pre­cio­sas. Quando chegou à presença de Salo­mão, expôs tudo o que ten­cio­nava dizer-lhe. 2Mas Salo­mão res­pondeu a todas as pergun­tas, sem haver nenhuma questão difícil que ele não lhe soubesse explicar. 3A rai­nha de Sabá encheu-se de admira­ção ao ver a sabedoria do rei, a casa real que ele construíra para si, 4os manjares da sua mesa, os aposentos dos seus servos, a habitação e ves­tes dos seus lacaios, os seus copeiros e os seus trajes, e os holocaustos que oferecia no templo do Senhor.

Impressionada com tudo isto, 5disse ao rei: «É verdade tudo quanto eu ouvi dizer no meu país a respeito das tuas obras e da tua sa­bedoria. 6Não queria acredi­tar antes de ter chegado e de ver com os meus pró­prios olhos. Pois bem, o que me tinham dito era apenas metade da tua imensa sabedoria; tu superas a fama que de ti chegou aos meus ou­vidos. 7Felizes os teus ho­mens! Feli­zes os teus servos! Feli­zes quantos estão ao teu serviço, sempre diante de ti, e ouvem a tua sabedoria! 8Ben­dito seja o Senhor, teu Deus, que te escolheu e colocou no seu trono, como rei ao serviço do Senhor, teu Deus! Foi por causa do seu amor a Israel, que Ele quer conservar para sempre, que te fez rei, para que cumpras a justiça e o direito.» 9Depois, presen­teou o rei com cento e vinte talentos de ouro, grande quantidade de aro­mas e pedras preciosas. Jamais se viram tantos aromas como os que a rainha de Sabá deu ao rei Salomão.

10Os servos de Huram e os de Sa­lomão que tinham trazido o ouro de Ofir, trouxeram também madeira de sândalo e pedras preciosas. 11Com a madeira de sândalo, o rei fez o soa­lho do templo do Senhor e do palá­cio real, bem como as harpas e as liras dos cantores. Jamais se vira seme­lhante madeira no país de Judá.

12O rei Salomão presenteou a rai­nha de Sabá com tudo o que ela pediu e dese­jou, mais do que ela tinha tra­zido ao rei. Depois, ela regressou à sua terra, com os seus servos.


Riquezas de Salomão (1 Rs 10,14-29) 13O peso do ouro que era trazido a Salomão, cada ano, era de seiscen­tos e sessenta e seis talentos, 14além do que recebia dos impostos cobra­dos aos viajantes e comercian­tes. Todos os reis da Arábia e os go­vernadores das províncias tra­ziam ouro e prata a Salomão. 15O rei Salomão mandou fazer duzentos escudos de ouro batido, cada um dos quais tinha seiscentos siclos de ouro; 16e man­dou fazer igual­mente trezentos pequenos escu­dos de ouro batido, cada um dos quais tinha tre­zentos siclos de ouro. O rei colocou-os no palácio do Bos­que do Líbano.

17Mandou também construir um gran­de trono de mar­fim, revestido de ouro puro. 18Este trono tinha seis degraus, com um estrado de ouro, fixado no trono. Dos dois lados do assento havia apoios, flanqueados por leões. 19Outros doze leões esta­vam colocados, de um lado e de outro, so­bre os seis degraus. Para nenhum rei se fez coisa seme­lhante.

20Todas as taças do rei Salomão eram feitas de ouro, e todo o vasi­lhame do palácio do Bosque do Lí­bano era de ouro fino. A prata, nem se fazia caso dela, no tempo de Salo­mão. 21Com efeito, o rei tinha navios que iam a Társis com os ser­vos de Huram e, uma vez cada três anos, a frota regressava de Társis carregada de ouro, prata, marfim, macacos e pavões.

22Desta forma, pela sua riqueza e sabedoria, o rei Salomão avanta­java-se a todos os reis da terra. 23Todos eles procuravam vir à presença de Salomão, a fim de escutar a sabe­do­ria que Deus infundira em seu cora­ção. 24Cada um lhe trazia, todos os anos, a sua oferenda: objectos de prata e ouro, vestes, armas, perfu­mes, cava­los e mulas. 25Salomão pos­­suía qua­tro mil cavalariças para cavalos e carros, e doze mil cava­lei­ros, que des­tacou para as cidades onde esta­vam os seus carros, e em Jerusalém, junto de si. 26Dominava sobre todos os reis, desde o rio Eu­fra­tes até ao país dos filisteus e à fronteira do Egipto.

27Graças a ele, a prata tornou-se, em Jerusalém, tão comum como as pedras, e os cedros tão numerosos como os sicómoros da região da Che­fela. 28Traziam a Salomão cavalos do Egipto e de todos os países.


Morte de Salomão (1 Rs 11,41-43) – 29O resto dos feitos de Salomão, dos pri­meiros aos últimos, está es­cri­to nas Palavras do profeta Natan, na Pro­fe­cia de Aías de Silo e na Visão do vi­dente Jedo acerca de Jero­boão, filho de Nabat. 30Salomão rei­nou em Jeru­salém, sobre todo o Is­rael, durante quarenta anos. 31Depois disto, Salo­mão adormeceu com os seus pais e foi sepultado na cidade de David, seu pai. Seu filho Roboão sucedeu-lhe no trono.



Capítulos

2 Cr 1 2 Cr 2 2 Cr 3 2 Cr 4 2 Cr 5 2 Cr 6 2 Cr 7 2 Cr 8 2 Cr 9 2 Cr 10 2 Cr 11 2 Cr 12 2 Cr 13 2 Cr 14 2 Cr 15 2 Cr 16 2 Cr 17 2 Cr 18 2 Cr 19 2 Cr 20 2 Cr 21 2 Cr 22 2 Cr 23 2 Cr 24 2 Cr 25 2 Cr 26 2 Cr 27 2 Cr 28 2 Cr 29 2 Cr 30 2 Cr 31 2 Cr 32 2 Cr 33 2 Cr 34 2 Cr 35 2 Cr 36